Um rápido teste

Eu duvido que você não responderá “sim” a pelo menos uma dessas perguntas abaixo: ⁃ Você já usou um forno micro-ondas? ⁃ Já colocou adoçante […]

Compartilhe:
Um rápido teste

Eu duvido que você não responderá “sim” a pelo menos uma dessas perguntas abaixo:

⁃ Você já usou um forno micro-ondas?
⁃ Já colocou adoçante no café?
⁃ Você ou seus filhos já brincaram de massinha?
⁃ Algo na sua casa possui velcro?
⁃ Alguma vez precisou usar Super Bonder® ou similar para colar algo?
⁃ Por acaso você tem panelas com Teflon®?
⁃ Já tirou uma radiografia?

Se as perguntas soaram fora de contexto para uma newsletter sobre criptomoedas, eu já explico. Há algo em comum entre todas essas invenções citadas acima.

Percy L. Spencer realizava um experimento com micro-ondas quando sentiu derreter um chocolate que estava em seu bolso. Pensou que poderia usar o mesmo efeito em um novo tipo de forno.

Ira Remsen descobriu um adoçante artificial ao esquecer de lavar as mãos após mexer com produtos químicos (que perigo!).

A Kutol Products Company estava tentando criar um produto de limpeza quando descobriu que a substância desenvolvida era tão legal que poderia virar massinha de modelar. Surgiu aí a Play-Doh.

Um cachorro — sim, um cachorro — descobriu o velcro (ou pelo menos deu ao seu dono uma boa ideia), após um passeio pela floresta. George de Mestral percebeu que uma espécie de carrapicho grudara no pelo do animal e foi investigar os curiosos ganchos que a planta possuía.

E as histórias continuam, situações parecidas se repetiram para as outras invenções mencionadas.

Já sacou o que liga todas essas histórias?

É aquele momento “Ops! Achei algo”.

Todas contaram com a ajuda do acaso. Ou, se preferir o termo mais rebuscado (prepare-se para o palavrão), da serendipidade.

O termo vem do inglês serendipity, que denota um acontecimento inesperado. Muitas das invenções que utilizamos hoje no dia a dia foram descobertas sem que ninguém planejasse.

Não podemos negar que o acaso, portanto, dá uma forcinha, indicando um caminho que não tenhamos ainda explorado ou pelo menos ligando os pontos para nós.

Em nossa mania “Homo sapiana” de planejar meticulosamente cada detalhe, às vezes, esquecemos que grandes feitos são alcançados sem plano prévio.

Não só isso, da serendipidade, costumam nascer inovações. É algo lógico: se surgiu pelo acaso, provavelmente, não era algo óbvio. Se fosse, já teriam descoberto.

De certa forma, então, o acaso (ou sorte, chame como quiser) nos ajuda a sair do plano cartesiano e navegar por ambientes menos lineares. Aliás, se você está atrás de algo realmente transformacional, esqueça variações incrementais e desenvolvimentos em linha reta.

Quando falamos de inovação, estamos falando de navegar pelo desconhecido e abraçar o risco para chegar a algo que mude o status quo.

Vejo muito isso claro nas criptomoedas. Enquanto o senso comum busca encaixá-las no plano cartesiano das possibilidades, estou mais interessado em saber o que vai surgir desse mercado que ninguém ainda está vendo.

Se olhamos para os criptoativos apenas como projetos de tecnologia que vão melhorar uma coisa ou outra na forma como usamos dinheiro, realmente não é grande coisa.

Mas, justamente, o caso é outro. Você DEVE esperar melhoras exponenciais, invenções não óbvias e aceitar que o futuro não é planejável.

Se eu tiver que chutar algo com grande chance de acertar é que, daqui dois ou três anos você verá no top 10 das criptomoedas um ativo que ainda não existe e que os projetos que hoje estão sendo constituídos terão funções que você nem imagina.

Não é mera suposição ou especulação. É a natureza nua e crua da inovação.

É por isso que, dia sim, dia sim, quando me perguntam se ainda vejo sentido continuar investindo nesse mercado, mesmo com a sangria que se arrasta desde o fim do ano passado, minha resposta é simples:

“Há muito mais aí do que eu e você podemos enxergar. E precisamos de apenas um projeto dando muito certo para ganharmos muito dinheiro”.

Alto risco, alto retorno. Se algo pode ir a zero e também pode se multiplicar por dez vezes, me parece um ótimo trade. Lembre-se apenas, por favor (!): tenha uma alocação responsável.