Vai que é sua, Zuckerberg!

Falamos de árbitro de vídeo na segunda-feira e ele deu sua cara ontem na vida real. Tudo começou com o banimento de qualquer propaganda relacionada […]

Compartilhe:
Vai que é sua, Zuckerberg!

Falamos de árbitro de vídeo na segunda-feira e ele deu sua cara ontem na vida real.

Tudo começou com o banimento de qualquer propaganda relacionada a criptomoedas do Facebook, no começo do ano.

Essa foi a marcação daquele pênalti duvidoso, no qual um dos lados reclama por vários minutos.

Então, o juiz é avisado via rádio que não foi falta e que precisa consultar o vídeo na beira do campo.

Esse é o momento que vivemos até agora sem nenhuma publicidade relacionada ao bitcoin e outros ativos semelhantes na rede social.

Finalmente, o árbitro — leia-se Mark Zuckerberg — percebe seu erro e decide permitir esse tipo de conteúdo na sua plataforma.

Já era hora!

O banimento começou em janeiro deste ano e funcionou como uma espécie de onda em toda a internet.

Seguiram a linha do Facebook, o Google, o Twitter e o YouTube, cada um criando o seu tipo de regra para anúncios de cripto.

Isso fez com que boas iniciativas que nada tinham a ver com ICOs fraudulentos deixassem de aparecer nesses sites.

Com isso, várias pessoas deixaram de ter contato com conteúdos relevantes do mercado e, com certeza, o Facebook deixou de fazer uma bela grana.

Agora com essa possibilidade de reversão parcial da restrição, tanto conteúdos educacionais como o nosso — ou outras iniciativas envolvendo criptoativos — vão poder voltar a aparecer.

Sabemos que, para negócios digitais, o Facebook é a principal vitrine e não seria diferente em relação aos negócios relacionados a essa nova classe de ativos.

Do lado da plataforma, seguir com o banimento de algo que pode ser tão relevante quanto a internet seria, no mínimo, estúpido.

Também não podemos esquecer do quanto a empresa deixou de ganhar com anúncios nesse período e o quanto pode ganhar voltando a aceitá-los na plataforma.

Além disso, o fato de Mark Zuckerberg ser um empreendedor visionário não poderia deixá-lo censurar totalmente algo que ele mesmo pode tirar proveito um dia.

Infelizmente, ele não pode chegar no “CEO do bitcoin” e fazer uma proposta. Isso não é possível porque estamos falando de uma estrutura sem dono e descentralizada.

Acho também que Zuckerberg não consegue construir esse tipo de infraestrutura do zero e colocar em todos os aplicativos que possui, como o fez ao copiar o Snapchat.

E de todos os motivos que considero relevantes para o Facebook voltar a pensar em permitir anúncios de cripto é que, provavelmente, a sua equipe deve estar bolando algo muito maior relacionado a esse universo.

Isso pode ser desde de criar a sua própria cripto e não depender mais de um país, podendo não mais precisar de conta bancária ou simplesmente passar a aceitar criptomoedas na plataforma como forma de pagamento.

Mas não se engane, isso é apenas uma especulação da minha parte…

E esse palpite vem de um cara que está brigando no Bolão da Copa da empresa, não para ganhar, mas para não passar vergonha e terminar com a lanterna na mão.

Então, toda cautela é bem-vinda ao me ouvir.