Empiricus Play

Crise Hídrica: como mexe nos seus investimentos? Entenda sobre o assunto

Escassez de água afeta investimentos. Neste vídeo Matheus Spiess, analista da Empiricus, comenta sobre como se proteger dessa tempestade.

Compartilhar artigo
Data de publicação
10 de setembro de 2021
Categoria
Empiricus Play

É certo dizer que o cenário externo afeta o preço de certos ativos, de forma indireta e direta. Sabendo disso, um dos assuntos que muito se vê estampado nas manchetes dos jornais atualmente é a crise hídrica e esse fator pode balançar alguns ativos na sua carteira de investimentos. Matheus Spiess, analista da Empiricus, explica tudo sobre o assunto neste vídeo, confira os principais pontos:

Contexto Histórico

A matriz energética brasileira é muito dependente de hidrelétricas. Nós entramos no ano de 2000 com 90% da nossa energia consumida proveniente de hidrelétricas. Esse fato fez com que o regime de chuvas sempre fosse muito importante para a realidade brasileira.

Hoje, o total de energia consumida que vem de hidrelétricas diminuiu para 60%. Mesmo assim, ainda somos bastantes dependentes da água.

Em 2012, a ex-presidente Dilma Rousseff baixou a tarifa de energia por meio da MP 579. A ideia era baratear a energia abrindo os reservatórios e subsidiando a matriz hidrelétrica. Entretanto, no longo prazo a consequência foi o desbalanceamento da matriz, na realidade, nós ainda não recuperamos o patamar estrutural dos níveis de reservatório verificados anteriormente.

Além de tudo, desde 2014, estamos vivendo períodos de secas relevantes. Os níveis de chuva estão abaixo de 75% da média.

Situação atual

É preciso sempre monitorar três fatores: nível de chuva, nível de despacho e o crescimento da demanda. Matheus Spiess conta que, desde o final do ano passado, a equipe da Empiricus já estava com pé atrás em relação ao setor de energia por conta destes pontos.

  • Nível de despacho

Em outubro de 2020, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) já havia começado a utilizar unidades térmicas e, por causa disso, instaurou a Bandeira Vermelha.

  • Crescimento da demanda

Esse cenário mostrou que a produção de energia pelas hidrelétricas já estava bem enfraquecida enquanto a demanda vinha aumentando consideravelmente.

  • Nível de chuva

Outro ponto que levantou suspeitas de uma crise energética foi a queda do nível de chuva entre abril e julho deste ano. A porcentagem em que ficamos abaixo da média histórica de volume da chuva foi de 56%.

Como isso afeta você, investidor?

Nós já estamos vendo consequências diretas e indiretas no bolso do investidor e da população brasileira como um todo. Já é possível observar respaldos na inflação – é inclusive uma das explicações para a alta do IPCA e vemos a conta de luz cada dia mais cara.

Além disso, o aumento do preço afeta todas as companhias que utilizam energia elétrica em seu meio de produção.

Uma boa estratégia do Brasil está sendo diversificar a matriz energética. Matheus comenta sobre dois nomes de boas empresas que podem se beneficiar nesse caminho: Eneva (ENEV3) e Alupar (ALUP11):

  • ENEV3 é uma geradora de energia térmica à gás, integrada a jazidas de gás. O core da empresa pode ser um ótimo motivo para sua valorização, segundo o analista.

  • ALUP11 é do segmento de transmissão dentro do setor elétrico. Matheus comenta que é o segmento mais perene em termos de previsibilidade.

Gostou do conteúdo? Convido você a baixar o SuperApp da Empiricus e acessar matérias, cursos e outros conteúdos gratuitos disponíveis na plataforma.

Download para IOS

Download para Android