Empiricus Play

Qual é a melhor petroleira? Veja a análise comparativa entre 3R Petroleum (RRRP3), PetroRio (PRIO3) e PetroRecôncavo (RECV3)

Em novo vídeo, a analista da Empiricus Larissa Quaresma analisa três petroleiras privadas listadas na Bolsa

Compartilhar artigo
Data de publicação
17 de maio de 2022
Categoria
Empiricus Play
posto de extração de petróleo
Veja quais são as petroleiras privadas para surfar na onda da alta no barril de petróleo. Fonte: Freepik

Considerando riscos de interferência política e possíveis alterações na política de preços de combustível, é possível que a Petrobras (PETR4) não seja a escolha de muitos investidores.

Mas existem outras opções de petroleiras no radar para surfar a onda da alta dos barris de petróleo. Estas são: PetroRio (PRIO3); 3R Petroleum (RRRP3); e Petrorecôncavo (RECV3).

A analista da Empiricus Larissa Quaresma avalia essas três petroleiras privadas e revela os principais pontos de seus respectivos balanços referentes ao 1T22.

1. PetroRio (PRIO3)

A PetroRio (PRIO3) é a maior entre as 3 petroleiras destacadas. 

Sua produção registrada no balanço de resultados do 1T22 foi de, em média, 35.189 barris de óleo equivalente extraídos por dia, configurando aumento de 9% na comparação trimestral.

Já a receita foi de R$ 1,5 bilhões, 11% a menos que o 4T21. A queda se deve à cotação do dólar, segundo Larissa, que caiu no 1T22.

Outro fator importante de se atentar é o custo de extração, sendo o da PetroRio o maior entre as 3 petroleiras, com um custo de U$ 11 por barril.

“Tanto a 3R quanto a Petrorecôncavo têm seus postos de petróleo em áreas terrestres ou em áreas marítimas de águas rasas, ao contrário da PetroRio, que concentra a maior parte de sua extração em águas profundas, método muito mais caro”, explica Larissa.

Em relação à margem Ebitda, que está vinculada à lucratividade da empresa, ficou em 62%.


Por fim, pensando em valuation, é observado o valor da empresa na Bolsa somado com a dívida dela divido pela quantidade total de reservas de petróleo (EV/Reservas). Esse valor ficou em R$ 52 por barril para a PetroRio.

2. PetroRecôncavo (RECV3)

O número de barris de óleo equivalente extraídos por dia pela petroleira foi próximo de 20 mil, com crescimento de 43% em relação ao 4T21.

Esse grande crescimento se traduz na receita que, no valor de R$ 789 milhões, registrou crescimento significativo de 133%.

Isso se deve ao fato de a PetroReconcavo, assim como outras empresas de commodities fazem, ter diminuído o seu volume de produção que estava hedgeado.

Como o preço do produto vendido varia de acordo com o cenário macro, sem que as empresas tenham um controle sobre ele, elas fazem um hedge, que consiste em travar o preço do barril de petróleo para que haja uma previsibilidade da receita.

Contudo, essa proteção pode configurar um risco também, já que se o preço do barril aumenta e a empresa o travou em um patamar mais baixo, haveria prejuízo por parte da empresa.

Olhando para o custo de extração, por conta de os postos serem em sua grande maioria terrestres ou em águas rasas, método mais barato, o valor ficou em US$ 9 por barril.

Quanto à margem Ebitda, foi de 63%, se colocando em um patamar praticamente igual ao registrado pela PetroRio.

Concluindo, o valuation medido por EV/Reservas ficou no valor de R$ 50 por barril.

3. 3R Petroleum (RRRP3)

A 3R Petroleum, comparativamente, é a menor entre as três companhias petroleiras, possuindo a menor quantidade de postos à sua disposição.

Quanto à sua produção, foi de 9.164 barris, reportando um aumento de 15% na comparação com o último trimestre.

Larissa explica porque a 3R não cresceu tanto: “A Petrobras está fazendo vários desinvestimentos de seus ativos para focar no pré-sal, e a 3R comprou vários desses”.

Entre os ativos, constam refinarias, campos de exploração terrestre e em águas rasas, entre outros. 

Porém, demora um tempo até que a empresa absorva esses ativos e passe a operar e reconhecer a produção, dada a necessidade de aprovação da ANP, entre outros protocolos.

“Nossa expectativa é que a 3R vá crescendo cada vez mais à medida que ela vá incorporando esses ativos”, afirma a analista.

A receita da companhia foi de R$ 375 milhões, crescendo 51% no período trimestral. 

O crescimento também está associado à companhia ter diminuído seu volume de produção hedgeado, podendo assim surfar a onda do aumento no preço dos barris decorrente da guerra entre Rússia e Ucrânia.

Quanto ao custo de extração, assim como a PetroReconcavo, a 3R tem os postos terrestres ou em águas rasas, o valor ficou em US$ 9 por barril.

Esse custo recai em certa medida na lucratividade da companhia, que pode ser avaliada a partir da margem Ebitda. Essa métrica da 3R ficou em 53%.

Larissa explica por que, apesar do baixo custo de extração, a margem Ebitda da 3R foi a menor entre as 3 petroleiras: “De todas as empresas citadas, a 3R é a mais jovem”. 

Dessa forma, as despesas também acabam sendo elevadas. Com a incorporação dos novos ativos, essas despesas devem ser diluídas. 

“Com o tempo, esperamos que essa margem aumente para algo similar às das outras duas companhias”, conclui a analista.

Por fim, ao avaliar o valuation de acordo com o valor da empresa com dívidas dividido pela quantidade total de reservas, a 3R é de longe a mais barata, com R$ 19 por barril.

“Com certeza, a empresa ainda tem muito o que escalar na sua operação para poder diluir suas despesas e assim ampliar sua lucratividade”, afirma a analista

Ela conclui: “Com isso, esperamos que a 3R seja avaliada a mais de R$ 19 o barril, diminuindo essa distorção de valuation em relação às outras duas empresas”.