Empiricus Play

Metaverso: o que esperar em 2022?

Analista aponta que ainda há estágios a serem superados para o máximo desenvolvimento do metaverso, mas sinaliza que, com os atuais investimentos das grandes empresas, essa tecnologia pode ser tendência nos próximos anos

Compartilhar artigo
Data de publicação
17 de janeiro de 2022
Categoria
Empiricus Play

Com os atuais investimentos por parte das grandes empresas, o metaverso chamou a atenção de muitos investidores, já que a tecnologia promete ser a próxima “bola da vez”.

Isso se deve em parte aos planos e aportes bilionários feitos por grandes empresas, como Microsoft e Facebook – agora, Meta – e também ao fato de que essa novidade imersiva já tem conquistado muitas pessoas ao redor do mundo.

Mas o analista da Empiricus, Richard Camargo, vê com cautela as previsões de que o metaverso atingirá o seu máximo potencial, ou ainda, que será adotado em massa em 2022.

Para o analista da carteira Money Rider, o atual estágio de desenvolvimento do metaverso está no caminho certo para alcançar todo o seu potencial, porém, é necessário pensar que estamos nas etapas iniciais do projeto.

Ou seja, faltam aparatos sofisticados e uma linguagem de programação própria para essa realidade virtual e aumentada.

O que esperar do mercado voltado para o metaverso?

Camargo pontua que ainda é cedo para uma dimensão concreta do mercado voltado para o metaverso, mas diz que exemplos recentes dão um sinal verde para o potencial de rentabilidade que esse mercado tem.

Para se ter uma noção, o Facebook investirá 10 bilhões de dólares em seu projeto ligado à realidade virtual e aumentada. 

Além disso, a empresa que passou a fazer parte do grupo de Mark Zuckerberg em 2014, a Oculus, registrou o maior número de downloads do seu App em 25 de dezembro de 2021, nos Estados Unidos. 

Isso significa que o óculos de realidade aumentada foi um presente muito popular nos lares norte-americanos, nas festas de final de ano.

Estimativas apontam que as vendas do Oculus Quest 2 foram de 8 milhões de unidades, em 2021.

Por isso, embalado por gigantes como a rede social de Zuckerberg, pela empresa de Bill Gates, por milhares de startups desenvolvedoras de soluções para o metaverso e até pela Nasa, o metaverso poderá ser uma excelente oportunidade para se buscar lucros.