Times
Investimentos

Cyrela (CYRE3) consegue manter excelência em resultados do 3T23 mesmo em cenário ruim para incorporadoras

A companhia atingiu um ROE satisfatório de 12,8% e manteve um endividamento controlado no 3º tri.

Por Caio Araújo

10 de novembro de 2023, 18:21

Cyrela CYRE3

Nesta quinta-feira (9), a Cyrela (CYRE3) apresentou seus resultados operacionais do 3T23, com números acima das expectativas do consenso.

Vendas líquidas estáveis na comparação anual

Conforme já divulgado na prévia, a companhia lançou 13 empreendimentos no trimestre, com um VGV (Valor Geral de Vendas) de R$ 2,165 bilhão, 26% abaixo do 3T22. No acumulado de 2023, os lançamentos totalizaram R$ 7,0 bilhões, 12% acima do ano anterior.

Mesmo com o recuo no ritmo de lançamentos, as vendas líquidas contratadas atingiram R$ 2,6 bilhões no 3T23, montante praticamente estável na comparação anual, com crescimento de VSO trimestral (+3,6 p.p.) – evidência da capacidade de comercialização da companhia e da qualidade dos seus produtos.

Ainda na parcela operacional, a Cyrela anunciou a compra de 8 novos terrenos em São Paulo, com VGV potencial de R$ 1,4 bilhão.

Maior volume de obras de Cyrela impulsionou receita líquida

Indo para a demonstração de resultados, a receita líquida atingiu R$ 1,6 bilhão, crescimento de 4% na comparação anual. O aumento se deve principalmente ao maior volume de obras em andamento neste período e também à venda de 11% do estoque pronto. 

A margem bruta total de Cyrela permaneceu em nível sólido, sustentada pelos novos lançamentos. O valor reportado foi de 33,5%, 0,3 p.p. abaixo do reportado no 3T22.

Na linha de despesas comerciais, enxergamos um crescimento tímido de 2% na comparação anual, justificado pela desaceleração no ritmo de lançamentos. Nas despesas gerais e administrativas, o montante ficou estável em relação ao 3T22, mesmo com o salto de 40% nas indenizações.

ROE satisfatório e endividamento controlado

Com isso, a Cyrela registrou lucro líquido de R$ 251 milhões no trimestre, abaixo do 3T22 (R$ 289 milhões), atingindo um ROE satisfatório de 12,8%. No ano, o lucro líquido atingiu R$ 694 milhões, aumento de 15% em relação ao mesmo período de 2022. 

Ademais, o endividamento da companhia segue controlado, na casa de 8% do patrimônio líquido. A partir dos próximos trimestres, é provável que tenhamos uma readequação desta linha, visto que boa parte das dívidas corporativas vencem em 2024.

Por fim, a companhia também obteve um ganho de R$ 49 milhões com alienação de ações da CURY3. Com isso, a companhia apresentou geração de caixa de R$ 7 milhões no período.

De forma geral, o contexto doméstico ainda não favorece a operação das incorporadoras de média/alta renda, mas a Cyrela conseguiu manter o nível de excelência em seus resultados. Negociando a 7,5x os seus lucros projetados para 2024 e a 0,9x P/B, os papéis de CYRE3 seguem recomendados pela Empiricus Research.

Sobre o autor

Caio Araújo

Administrador de empresas formado pela Fundação Getúlio Vargas (EAESP-FGV) e profissional da Empiricus Research desde 2016. Com certificação CNPI, é o analista de Real Estate e responsável pela série Renda Imobiliária, que atua no mercado de fundos de investimento imobiliários.