Day One

A oitava maravilha do mundo

A três dias da virada de um dos anos mais desafiadores para o investidor — se não o mais —, nós da série Vacas Leiteiras trazemos aqui um pouco da nossa filosofia como investidores de longo prazo e revelamos o nome de três companhias que julgamos ser as melhores pagadoras de dividendos olhando mais à frente.

Compartilhar artigo
Autor
Sergio Oba
Data de publicação
28 de dezembro de 2020
Categoria
Day One
Quer ouvir esta edição do Day One no seu Amazon Alexa? Clique aqui e instale a nossa Skill gratuitamente.

A três dias da virada de um dos anos mais desafiadores para o investidor — se não o mais —, nós da série Vacas Leiteiras trazemos aqui um pouco da nossa filosofia como investidores de longo prazo e revelamos o nome de três companhias que julgamos ser as melhores pagadoras de dividendos olhando mais à frente.

Não é segredo que desde o início da pandemia um dia tem se sido equivalente a um mês, seja pela volatilidade dos mercados, seja pela quantidade excessiva de informações e ruídos, efeito visto principalmente em períodos mais desafiadores, como a crise do subprime em 2008, a bolha da internet em 2000, a quebra dos mercados emergentes na década de 1990 e a Segunda-feira Negra (Black Monday) de 1987.

Dando um passo atrás, para termos uma visão mais ampla e melhor entre momentos de bonança e crises econômicas no mercado financeiro, abraçamos uma estratégia de longo prazo, de certa forma monótona, mas que em um horizonte mais longo se mostra uma boa opção de criação de patrimônio para o investidor. Entra ano, sai ano, crise após crise, certas histórias nunca mudam; empresas sólidas, com claras vantagens competitivas e uma equipe de gestão focada na manutenção dessas vantagens, passam por todos esses momentos saindo ainda mais resilientes e robustas, e é nosso dever encontrá-las para os nossos leitores/investidores de longo prazo.

Como disse Warren Buffett, “preço é o que você paga, valor é o que você leva”. Nos comprometemos a ir em busca do valor e acreditamos que os altos e baixos do mercado — como visto neste ano — servem para reforçar alguns dos pilares mais importantes das teses, que julgamos imprescindíveis para uma empresa resiliente não somente sobreviver, mas passar por toda adversidade e sair dela ainda mais robusta.

Sobre os tais pilares, a seguir estão as principais características que buscamos nas companhias e seus negócios como um todo, as quais servem como regra de bolso a investidores com o mesmo objetivo que o nosso:

1) Resiliência e baixa volatilidade operacional;

2) Grandes incumbentes (prestadores de serviços) em grandes mercados;

3) Histórico comprovado de dividendos;

4) Exposição limitada aos chamados fatores exógenos (dólar, commodities, etc.);

5) Sólidas vantagens competitivas e barreiras de entrada;

6) Baixa alavancagem e intensidade de capital;

7) Margens elevadas e geração de caixa livre consistente;

Empresas altamente resilientes e sustentáveis no longo prazo tendem a manter sua liderança no setor e uma geração de caixa consistente e, como consequência da estratégia e bons resultados, distribuem seus ganhos de maneira periódica através de proventos aos seus acionistas. Aqui entramos na questão dos juros compostos, considerados por ninguém menos que Albert Einstein como a oitava maravilha do mundo, ressaltando sua força e beleza.

Apenas para dar uma cor, os juros compostos refletem o efeito exponencial dos retornos de uma ação assumindo o reinvestimento dos proventos pagos pela companhia em suas próprias ações. Por exemplo, se você recebe os dividendos proporcionais a sua quantidade de ações e reinveste esse montante recebido nos mesmos papéis, a sua quantidade de ações aumenta.

Para deixar mais claro, a imagem abaixo reflete o retorno de uma ação reinvestindo os proventos pagos e, de forma sintetizada, a trajetória emocional do investidor ao longo do tempo.

Claro que não são todas as empresas que apresentam estas características, resiliência operacional, elevada geração de caixa e distribuição consistente de proventos para os investidores, por isso, nós do Vacas Leiteiras estudamos incessantemente as melhores pagadoras para os investidores de longo prazo.

Além da nossa busca por valor, acreditamos que o preço tem sua relevância para a estratégia – sim, o preço importa –, já que é o denominador da razão do dividend yield (DY = Dividendo/Preço atual). Indo mais além e adicionando a valorização de uma ação ao retorno através dos proventos, temos o retorno total de uma ação, e a representação percentual desse retorno para o acionista também tem o preço pago como denominador.

Na série Vacas Leiteiras, o preço faz parte de um conjunto de critérios analíticos, quantitativos e qualitativos, que tem como resultado a classificação através de um ranking.

Hoje, como presente de final de ano, trazemos o nome de três grandes pagadoras de dividendos que, além de apresentar as principais características que buscamos, estão entre os melhores nomes para 2021, em nossa visão e de acordo com a estratégia.

São elas: Qualicorp (QUAL3), Hypera (HYPE3) e Telefônica Brasil (VIVT3).

Elevada geração de caixa, histórico consistente como pagadoras de proventos e grandes incumbentes em seus setores (saúde e telefonia) são alguns de seus principais pilares, além de, nos casos de HYPE e QUAL, estarem presentes em um setor que vive uma mudança secular com o envelhecimento populacional.

Para deixar mais clara a beleza dos juros compostos em boas empresas, como as que acabamos de apresentar, abaixo, damos o exemplo do que chamamos “boca de jacaré”.

Nele, o investidor comum, que compra as ações, recebe os proventos e os usa, está aproveitando a qualidade da empresa e recebendo aquilo que lhe é de direito. Já o investidor de dividendos se aproveita dos proventos para multiplicar os seus ganhos no longo prazo.

QUAL3 – Reinvestindo os dividendos (linha laranja) x investidor comum (linha branca)

Fonte: Bloomberg


HYPE3 – Reinvestindo os dividendos (linha laranja) x investidor comum (linha branca)

Fonte: Bloomberg


VIVT3 – Reinvestindo os dividendos (linha laranja) x investidor comum (linha branca)

Fonte: Bloomberg

Podemos afirmar que, apesar de “entediante” por focar em grandes empresas maduras, a nossa estratégia, ao longo do tempo, traz uma grande “paz de espírito” aos investidores.

Para saber todos os detalhes das três companhias, assim como o nosso ranking completo e as respectivas teses de investimento, além de todo o acompanhamento analítico focado no que realmente importa — os riscos sempre existirão e precisam ser acompanhados —, convidamos você a ser nosso assinante, com uma condição especial somente hoje!

Esperamos nos ver em breve e que 2021 seja um ano cheio de conquistas, alegrias e repleto de dividendos.

Um grande abraço,

Sergio Oba, Raphael Bueno e Allan Moreira