Conteúdo publicitário
Conteúdo publicitário

Piscina de plástico

É meio cafona, mas a verdade é que esta época do ano me bota mais comovido. Talvez seja o espírito de nascimento apontando novos e […]

Piscina de plástico

É meio cafona, mas a verdade é que esta época do ano me bota mais comovido. Talvez seja o espírito de nascimento apontando novos e brilhantes horizontes à frente. Talvez seja só saudade da época em que comemorávamos com muita gente. Na dúvida, marquei um churrasco lá em casa no sábado para os poucos e bons, a turma que compunha o time de futebol de salão do São Luís.

Modéstia à parte, era um esquadrão. A gente ficou muito orgulhoso de um ano em que perdemos só um jogo em toda temporada — acho que foi 1999 ou 2000; o André sabe melhor essas coisas.

Tínhamos duas variações basicamente: Gordo no gol (saudades dele!), André de fixo, eu de ala mais recuado, Gustavo de ala avançado e Victinho no pivô. Ou, Gordo, eu de fixo, Gustavo de ala recuado, Rico de ala avançado e André no pivô.

Sempre preferi a segunda formação, mas, independentemente de qual fosse, algo nunca mudava: tínhamos um baita goleiro. O Gordo era uma parede — pelo apelido, talvez você possa supor que ele ocupava 120% da área da baliza, transbordando as traves laterais e o travessão, mas não era isso, não. Era um goleiro muito técnico, só que ele tinha algo engraçado. Lembro dele berrando sob a trave: “Não deixa chutar.” “Não deixa a bola entrar no meio.” “Não deixa passar na diagonal.” “Não deixa entrar nas costas.”

Um dia virei pra ele e falei: “Pô, Gordo, desse jeito até eu vou no gol. Não pode chutar, não pode passar, não pode cabecear. Como é que a gente faz? Amarra os caras?”

Foi engraçado na hora e começamos a rir no meio do jogo. A partir dali, combinamos algo que viria a aumentar de maneira significativa nossa eficiência defensiva: deixaríamos sempre uma espécie de “espaço falso”, quase forçando, tacitamente, enquanto defendíamos, o adversário a levar a bola para o canto (nunca deixar espaço no meio); ali, eu marcaria o atacante fechando o bate na diagonal (canto oposto do goleiro), ao mesmo tempo em que o Gordo defenderia o próprio canto (“fica no seu canto! O cara vai bater aí.”). Se o atacante tentasse chutar na diagonal, seria bloqueado pela minha marcação; se sentisse espaço para o chute no outro canto, encontraria o Gordo muito bem posicionado.

 

Leitura recomendada

Luciana Seabra mostra como lucrou (e ajudou os leitores a lucrarem) muito com ações sem precisar comprar ações. Ela ensina os assinantes da sua séria a investirem da mesma forma que os maiores investidores profissionais do mercado financeiro. E tudo depende de uma simples atitude, que pode te mostrar esse novo mundo de rentabilidade em menos de 24 horas. Veja aqui o recado que ela gravou.
 

Pode parecer papo saudosista, mas eu levei aquilo pra vida, incluindo minhas decisões corporativas e financeiras. A ideia central é: se você perguntar para o goleiro se o outro time pode chutar, é óbvio que ele vai responder que não. Se o Uber perguntar para a associação de taxistas se pode continuar operando, qual será a resposta?

Vale também para qualquer órgão regulador, que sempre será pressionado nos jantares de gala pelos representantes do status quo a regular (essa é a sua função, não?) qualquer nova iniciativa em prol da inovação.

Aqui na Empiricus, quando quero fazer algo diferente a turma vem me dizer assim: “pergunta pro jurídico se pode.” Cara, o jurídico sempre vai dizer que não pode — Tozo, eu te adoro, não fica bravo.

O recado mais geral é: esteja ciente de onde vêm as informações e as indicações, pois elas podem estar bastante enviesadas pelos próprios interesses ou por problemas de amostragem.

Noutro dia, amigo meu desistiu de abrir conta em corretora após consultar o “Reclame Aqui”. Segundo ele, viu reclamações muito contundentes e acabou desistindo. Bicho, o que o cidadão esperava encontrar no “Reclame Aqui”? Elogios? Isso vira um mapa errado, entendeu? Estamos diante de um caso clássico de problemas de amostra e viés de seleção: você olha um grupo específico e não representativo de toda a população e acaba concluindo erroneamente sobre aquela coisa.

Em outras palavras, o saliente sempre acaba se destacando mais frente ao estatístico. E isso ferra tudo. É o caso clássico do viés de disponibilidade: algo que salta aos seus olhos de maneira mais contundente acaba balizando suas conclusões, escapando-lhe o que é silencioso e, de fato, essencial.

A História da humanidade, por exemplo, é marcada por muito mais períodos de paz do que de guerras. Os livros didáticos, porém, só narram as guerras e isso nos traz a falsa impressão de que somos incapazes de viver em harmonia, leves e felizes.

Vale o mesmo argumento para a gestão de política econômica, que muitas vezes se sensibiliza com as demandas das minorias estridentes, esquecendo-se da maioria silenciosa.

Canonicamente, estamos diante do tal WYSIATI, taxonomia criada por Daniel Kahneman para descrever a ideia de “What You See Is All That Is”, ou “O que você vê é tudo que existe”. Ponderam-se muito fortemente as informações disponíveis, enquanto negligenciam-se as faltantes ou não salientes, já pulando para as conclusões.

O conhecimento de probabilidade das pessoas que trabalham no mercado financeiro é da profundidade da piscina de plástico que monto para o João Pedro no quintal da minha tia Eunice lá em Senhora do Porto. O que salta aos olhos não é necessariamente aquilo que representa a real distribuição daquela população.

Se as pessoas tivessem mais viés probabilístico e menos sensibilidade para as ocorrências histriônicas, certamente seus resultados financeiros seriam muito melhores.

O que é saliente neste momento?

Em linhas gerais, uma grande preocupação com os mercados internacionais. Mais especificamente, com a possibilidade de o Banco Central norte-americano continuar subindo sua taxa básica de juro e enxugando a liquidez global no processo de redução de seu balanço, num momento em que a economia dos EUA desacelera com um pouco mais de intensidade.

Ontem, o Federal Reserve elevou seu juro básico em 25 pontos-base, exatamente como esperado. Em paralelo, reduziu suas projeções para 2019 — antes, eram projetadas três elevações, agora são duas.

Embora tenha sido um clássico “dovish hike” (aumento de juro acompanhado de discurso mais moderado), o mercado não gostou. Queria algo mais e se sentiu particularmente desgostoso com o discurso de Jerome Powell, de que pretende continuar sem tergiversar na redução do balanço do Fed, mesmo diante de condições mais adversas agora. As economias europeias e asiáticas emitem sinais preocupantes, a relação comercial entre EUA e China é um risco importante, surgem alertas de possibilidade de recessão norte-americana em 2019 e Wall Street (assim como a bolsa japonesa agora) está em bear market em termos práticos.

Todo esse cenário tem pesado sobre ativos de risco nos últimos pregões, dominado as manchetes dos jornais e assustado investidores brasileiros, sejam eles institucionais ou pessoas físicas.

Não quero minimizar ou negligenciar os riscos vindos do estrangeiro. Mas também não podemos esquecer do pano de fundo silencioso de 2019. O ano — ao menos até aqui; num mundo que não entendemos e que caminha em grandes saltos súbitos, a ressalva “ao menos até aqui” é sempre importante — foi bastante bom para os ativos de risco brasileiros.

O Ibovespa sobe 12%, por exemplo. As ações de Petrobras e Vale, veículos típicos da pessoa física brasileira, apresentam valorizações de, respectivamente, 40 e 30%. Os papéis de Itaú também avançam quase 30%. Tenho muito orgulho de dizer que a Carteira Empiricus, nossa publicação mais completa e a que eu mais indico aos leitores, caminha — de novo, “ao menos até aqui!”, bate na madeira — para encerrar o ano com ganhos superiores a 200% do CDI.

Também gostaria de salientar que, embora as perdas recentes causem desconforto, os mercados brasileiros têm se comportado de maneira comedida frente a outros emergentes e frente a Wall Street. Não há sinal de pânico e estamos a cerca de apenas 5% do recorde histórico nominal para nosso principal índice de ações.

Prospectivamente, compartilho a preocupação com as dúvidas no cenário internacional e como uma eventual redução de liquidez num momento de desaceleração da economia pode nos afetar, mas também não posso esquecer do estágio inicial de nossa recuperação — nesses momentos do ciclo, ações tendem a ser uma classe de ativos vencedora.

Além disso, em momentos de pouca visibilidade e em que nós não sabemos nada sobre o futuro (só de segunda a domingo), resta uma coisa a se fazer: voltar-se aos níveis de preço e perseguir assimetrias. Coisas que estão bem baratas e têm qualidade, podendo cair pouco no cenário negativo e subir muito no caso positivo.

Uma heurística banal joga luz sobre a coisa: olhe para um determinado ativo e pergunte se ele tem mais chance de multiplicar por 2 ou cair pela metade. Eu consigo imaginar com alguma facilidade o Ibovespa a 170 mil pontos nos próximos anos, mas dificilmente conseguiria vê-lo a 43 mil.

O cenário internacional incerto pode trazer tiro, porrada e bomba em 2019. Isso não significa, porém, que mesmo sob maior volatilidade, não possamos acumular excelentes ganhos em ativos de risco brasileiros.

Enquanto todos querem agora teorizar sobre o futuro em seus relatórios de perspectivas para os investimentos em 2019, talvez seja a hora apenas de viver a realidade brasileira, focando-nos na fase do ciclo, nos valuations atrativos e na construção patrimonial de longo prazo, a despeito do prognóstico de maior vol lá fora. Ao final, os persistentes e pacientes serão silenciosamente os vitoriosos do ano.

Mercados iniciam a quinta-feira ainda digerindo a decisão da véspera do Banco Central dos EUA, demonstrando instabilidade internamente. Futuros de Wall Street seguem no vermelho, pressionados pela mesma preocupação de ontem.

Agenda do dia traz reunião do Banco Central da Inglaterra, atividade industrial norte-americana, pedidos de auxílio-desemprego e indicadores antecedentes, ambos nos EUA.

Por aqui, destaque para Relatório Trimestral de Inflação, além do imbróglio todo sobre tentativas de soltura do ex-presidente Lula.