Velhos garotos para tratar de nossas velhas doenças

Como vocês sabem, a Empiricus nasceu em um novembro, de 2009. Novembro está chegando ao fim – este mês conturbado para o mercado americano, ao mesmo tempo […]

Velhos garotos para tratar de nossas velhas doenças

Como vocês sabem, a Empiricus nasceu em um novembro, de 2009.

Novembro está chegando ao fim – este mês conturbado para o mercado americano, ao mesmo tempo em que alimenta esperanças para nós, Chicago Boys tupiniquins.

E como Richard Thaler bem lembrou no aniversário de nove anos da Empiricus, os Chicago Boys não são mais garotos. Eles envelheceram!

Seus superpoderes ainda funcionam para tratar de problemas ultrapassados, mas não sei se eles conseguiriam responder sobre o valuation esticado das tech stocks de Wall Street…

Por sorte, as mazelas brasileiras são ainda clássicas, quilômetros de distância de qualquer fronteira do conhecimento. Embora seja prazeroso, nem precisamos estudar economia comportamental por enquanto; o núcleo do arcabouço micro e macro nos basta. Gráficos de oferta e demanda.

 

Leitura recomendada

Luciana Seabra mostra como lucrou (e ajudou os leitores a lucrarem) muito com ações sem precisar comprar ações. Ela ensina os assinantes da sua séria a investirem da mesma forma que os maiores investidores profissionais do mercado financeiro. E tudo depende de uma simples atitude, que pode te mostrar esse novo mundo de rentabilidade em menos de 24 horas. Veja aqui o recado que ela gravou.
 

Como vocês sabem, a Empiricus nasceu em um novembro, de 2009.

Novembro está chegando ao fim – este mês conturbado para o mercado americano, ao mesmo tempo em que alimenta esperanças para nós, Chicago Boys tupiniquins.

E como Richard Thaler bem lembrou no aniversário de nove anos da Empiricus, os Chicago Boys não são mais garotos. Eles envelheceram!

Seus superpoderes ainda funcionam para tratar de problemas ultrapassados, mas não sei se eles conseguiriam responder sobre o valuation esticado das tech stocks de Wall Street…

Por sorte, as mazelas brasileiras são ainda clássicas, quilômetros de distância de qualquer fronteira do conhecimento. Embora seja prazeroso, nem precisamos estudar economia comportamental por enquanto; o núcleo do arcabouço micro e macro nos basta. Gráficos de oferta e demanda.