Empiricus Play

Azul (AZUL4) tem potencial de alta mesmo sem fusão com a Latam – saiba mais

Companhia se posicionou bem durante a crise e deve se beneficiar do crescimento do setor aéreo brasileiro, segundo Rodolfo Amstalden

Compartilhar artigo
Data de publicação
3 de junho de 2021
Categoria
Empiricus Play

As companhias aéreas foram destaque, de forma negativa, no mercado financeiro em 2020 – a pandemia da covid-19 fez as viagens minguarem e as ações do setor despencaram, ficando entre as piores quedas do ano. 

Ainda descontadas na comparação com o período pré-pandemia, agora, os papéis dessas empresas voltam a chamar atenção. E para Rodolfo Amstalden, sócio-fundador e analista da Empiricus, a Azul (AZUL4) é promissora.

Na última semana, circularam notícias de que a Azul estaria interessada em comprar a operação da Latam Airlines no Brasil. Para se ter uma ideia, essa possível aquisição fez as ações da companhia dispararem mais de 10% em um único dia. 

O negócio não foi confirmado e já existem boatos de que ele não deve sair do papel. Isso, porém, para Amstalden, não muda o cenário positivo que a Azul tem a sua frente.

O primeiro ponto que deve impulsionar a Azul, para o analista, é o potencial de crescimento do setor aéreo no Brasil: o número de voos per capita no país ainda é pequeno, por exemplo, na comparação com países também em desenvolvimento, como o Chile. “A Azul está preparada para pegar na veia esse potencial de crescimento”, afirma o especialista. 

Além disso, para Amstalden, a Azul ainda conseguiu fazer um bom trabalho durante a pandemia, mantendo sua liquidez melhor do que a das concorrentes e oferecendo novos serviços. “Valorizamos bastante as empresas que conseguem se reinventar em cenários de crises”, diz o gestor. 

Para entender melhor a análise, e o motivo de a Azul ser um dos destaques da Carteira de Riqueza Permanente da Empiricus, veja o vídeo completo, no qual Rodolfo Amstalden explica tudo. É só dar o play.