Amo, logo invisto

“O problema com o amor é que você não pode comprá-lo. Você pode comprar sexo. Você pode comprar jantares em sua homenagem. Você pode comprar […]

Compartilhe:
Amo, logo invisto

“O problema com o amor é que você não pode comprá-lo. Você pode comprar sexo. Você pode comprar jantares em sua homenagem. Você pode comprar panfletos que dizem que você é maravilhoso. Mas a única maneira de conseguir amor é ser amado.”

“Mais importante do que estar com pessoas boas ao seu redor é escolher bem com quem você vai se casar – que seja alguém que você admire.”

As duas declarações acima poderiam ser de Fernando Pessoa, Mario Quintana, Carlos Drummond de Andrade… mas não são. Algum chute?

Warren Buffett.

Além de ser o maior investidor de todos os tempos, bilionário e cultivador de hábitos simples, o velhinho ainda é romântico. Um ídolo.

Buffett já mencionou algumas vezes que muitas das características que o ajudaram a ter sucesso nos investimentos foram absorvidas através do convívio com o seu grande amor, sua falecida esposa Susan.

Equilíbrio, maturidade e o apreço pela filantropia fundaram uma parte de Buffett totalmente influenciada por Susan. Susan é constantemente lembrada nas falas de Buffett: procure alguém que te melhore a cada dia. Susan tinha esse papel.

Portanto, inspirado pelo Dia dos Namorados e pelas lições do mestre, hoje vou falar de amor.

Pense no amor como um investimento em ações. Eles têm mais em comum do que você pode imaginar.

Começamos então pela fase inicial de um relacionamento. Existem valores e características que você considera importantes e que você espera encontrar na pessoa amada.

A partir do momento que você percebe uma sintonia e suas expectativas vão sendo atingidas, o “valor de mercado” daquela pessoa amada só vai aumentando.

O mesmo acontece com as ações. Empresas sólidas que entregam resultados consistentes e atendem às suas expectativas como investidor farão com que você compre mais de suas ações. E assim, com muitos investidores pensando da mesma maneira, o valor desta companhia vai crescendo gradualmente.

Se você acha que o seu relacionamento amoroso vai prosperar, certamente você investirá nele. Você vai despender mais energia, interesse e carinho, visando conquistar e agradar o seu amado (ou amada).

Se você estudou a empresa e acredita que ela mostrará crescimento de lucros nos próximos anos, você também vai se interessar mais e investir nela.

O amor é uma troca. Você precisa oferecer para receber de volta. E quando você tem esta retribuição, você oferece outra vez, e assim este laço vai sendo construído e se intensificando.

Assim como os dividendos. Estes não são retribuições da empresa aos seus acionistas? Quanto mais dividendos distribuídos, mais dinheiro você vai reinvestir na companhia.

Por outro lado, o amor perde o encanto definitivamente quando não há investimento. Aquela história de regar a flor regularmente é a mais pura verdade.

O amor tem seus altos e baixos. Às vezes, precisamos sentar com a pessoa amada, alinhar pontos, revitalizar os objetivos em comum e dar aquela chacoalhada no relacionamento.

Acontece exatamente o mesmo com empresas em tempos de crise. Nos últimos dois anos, impactadas severamente pela recessão, as companhias tiveram que se voltar para dentro, fazer o dever de casa, ajustar suas estruturas, rever objetivos e focar em eficiência e rentabilidade.

Hoje estão mais fortes e preparadas para um novo ciclo de crescimento econômico, e para os eventuais solavancos que podemos enfrentar nos próximos meses.

O amor deve ser sempre regado. Assim como os investimentos em ações de qualidade. Entendendo as quedas como oportunidades, você vai regando seu portfólio com empresas premium como Itaú, CVC, Raia Drogasil, IRB, Localiza, construindo um relacionamento de longo prazo que vai lhe dar bons frutos no futuro.

Siga os caminhos de Buffett no amor e nos investimentos.

Aproveite o Dia dos Namorados para deixar aflorar seus sentimentos pela pessoa amada e valorizar quem está do seu lado.

Sem se esquecer também de comprar boas empresas a preços atrativos, principalmente com o Ibovespa a 72 mil pontos.

Amor e barganhas nunca saem de moda e são alicerces para uma vida mais feliz lá na frente, seja no seu relacionamento, seja na construção do seu patrimônio.

Mercados mundiais hoje acompanham de perto os dados de inflação nos EUA, que podem sinalizar a postura do Fed amanhã na decisão da taxa de juros. A maioria dos analistas lá fora acredita na manutenção do gradualismo na alta dos juros, o que seria positivo para os mercados emergentes.

Sem dúvida, o clima dos mercados mundiais hoje é de mais tranquilidade com o avanço positivo nas conversas entre Trump e Kim Jong-un. Agora é esperar para ver se de fato o ditador norte-coreano abrirá mão do seu programa nuclear.

Por aqui, o Ibovespa Futuro indica uma abertura negativa, os juros abrem e o dólar tem leve queda.

Se você quer se expor à aquecida economia norte-americana e diversificar seu portfólio, sugiro você olhar com atenção nossa série MoneyRider. Meu amigo João Piccioni seleciona as melhores ações de empresas nos EUA para você surfar este momento na terra do Tio Sam.

E por falar em amor…