RadioCash

Rodrigo Zeidan, professor da New York University Shanghai, comenta a economia chinesa e destaca o país como símbolo do capitalismo

Em entrevista ao podcast RadioCash, Rodrigo Zeidan discorre sobre a economia chinesa e a competição mortal por dinheiro que é vista no país. Zeidan também comentou o controle da pandemia no país e a postura da população em relação ao vírus.

Compartilhar artigo
Data de publicação
20 de janeiro de 2022
Categoria
RadioCash

* Por Carolina Gama

No episódio 51 do RadioCash, Rodrigo Zeidan, professor da New York University Shanghai e doutor em economia pela UFRJ, comentou as questões econômicas e governamentais da segunda maior economia do mundo. 

Participando do podcast RadioCash com Jojo Wachsmann, sócio-fundador da Vitreo, e com a jornalista Roberta Scrivano, ele conta que todo o emprego gerado na economia chinesa veio do setor privado nos últimos 30 anos, quando as reformas das estatais no país entraram em curso. 

“Aqui temos o capitalismo mais capitalista que eu já vi. As pessoas pensam o tempo todo em uma forma de ganhar dinheiro e, por isso, a competição é mortal. Os chineses pensam na concorrência e em como se livrar dela. Esse é o capitalismo chinês, de concorrência ininterrupta”, afirmou. 

O professor lembra, no entanto, que quando essa competição pode oferecer risco sistêmico, o governo aparece. “Quando esbarra em risco sistêmico a brincadeira acaba, como no caso da Evergrande, que se endividou até não poder mais e até time de futebol comprou”, disse. 

O comunismo acabou? 

A definição básica de comunismo é o Estado deter os meios de produção, mas não é assim que as coisas acontecem na China de hoje. Segundo Zeidan, o peso das estatais na China é bem menor do que em países como a Dinamarca e o próprio Brasil.

“O estado detém algumas empresas, bem ruins. Em termos de meio de produção é tudo privado. Temos bilionários na China, algo que não existiria no comunismo. É claro que se o governo quiser, pode fechar a empresa desses bilionários, mas isso também pode acontecer no Brasil, basta uma regulação”, afirmou.

O professor destaca a diferença do discurso comunista na sociedade. “Temos 5 mil anos de história na China e as pessoas nunca se sentiram representadas. Então ter mais um governo no qual ninguém te representa, não é um problema”, disse. 

Ele lembra do discurso do atual governo, comandado por Xi Jinping, no qual o apelo é “decisões tomadas pelo bem de todos”. “Com a covid zero no país, o governo não só pode dizer isso como consegue provar.” 

Zeidan cita ainda as normas sociais na China que, segundo ele, são completamente diferentes do Ocidente e volta a mencionar a covid-19 como exemplo. 

“O vírus é inaceitável para as pessoas. Os chineses estão dispostos a fazer quase qualquer sacrifício para não pegar o vírus. Não importa se o vírus se enfraqueceu ou se eles estão vacinados. Isso tem a ver com norma cultural. É assim que as pessoas agem, quer o governo queira, quer não”, disse. 

O potencial chinês de expansão 

Ocupando o segundo lugar no ranking das maiores economias do mundo, ninguém duvida do potencial de expansão da China nos próximos anos.

O governo tem trabalhado para isso, com planos de crescimento baseados em uma economia mais limpa e diversificada, menos dependente do estado e mais aberta ao exterior. 

“A renda média de um cidadão chinês hoje é de US$ 10 mil ao ano, muito parecida com a de um brasileiro. Se o PIB chinês dobrar, a renda do chinês médio vai a US$ 20 mil, ou dois terços da renda de um português”, disse. 

E Zeidan continua: “Para chegarmos na renda de um português, o PIB chinês precisa triplicar. Você consegue imaginar o efeito global disso? Essa é a verdadeira oportunidade”. 

O professor lembra que apesar do cenário promissor, a tendência de longo prazo da China existe, porém, em um caminho bastante volátil diante das intervenções do governo.