Day One

Prazer em conhecê-lo, esse cara sou eu

“Deu o que falar a manchete sobre um correntista que havia esquecido […]”.

Compartilhar artigo
Data de publicação
31 de março de 2022
Categoria
Day One

“De manhã você acorda feliz,
num sorriso que diz
esse cara sou eu,
esse cara sou eu”

– Roberto Carlos

Deu o que falar a manchete sobre um correntista que havia esquecido R$ 1,65 milhão em um banco qualquer, agora resgatado com a ajuda da nova ferramenta do Bacen.


Galera fez piada sobre a distração do sujeito que não cuida da própria grana como deveria, ou que deve ser tão rico que até mesmo um valor milionário acaba passando por irrisório.

Ao rirmos dos outros, porém, geralmente estamos rindo de nós mesmos.

Ainda hoje, depois de todo o papo de financial deepening e disrupção fintech, resta um montante assombroso de R$ 450 bilhões depositados em fundos de previdência de grandes bancos que, sistematicamente, entregam retornos abaixo do CDI.

Seria mais conveniente se essa enorme cifra letárgica estivesse efetivamente esquecida por um moleque maconheiro de memória curta, mas a verdade é bem mais incômoda: são mães e pais de família, confiando sua futura aposentadoria a um investimento careta.

A culpa é de quem?

Só os banqueiros podem nos ajudam a responder a essa pergunta, por meio do máximo ensinamento aprendido por todo filho de banqueiro que deseja seguir os passos do pai:

“Se um banco empresta mil reais e o devedor não paga, a culpa é do devedor. Mas se esse mesmo banco empresta dez milhões de reais e o devedor não paga, então a culpa é do banco.”

Traduzindo para o nosso contexto:

“Se um correntista investe mil reais num título de capitalização, a culpa é do banco. Mas se esse mesmo correntista investe seu futuro principal previdenciário numa aplicação ruim, a culpa é do correntista.”

É bonitinho falar mal dos bancos, mas precisamos começar a falar mal de nós mesmos também.

Gastamos quase todo o nosso tempo financeiro disponível (que já é escasso) em busca de novas aplicações maravilhosas quando as melhores decisões provavelmente derivam de mudar velhas alocações ruins, fazendo as pazes com o nosso passado.

Essa é exatamente a percepção que transborda das consultorias personalizadas que fazemos com nossos Super Investidores — eles adoram saber sobre adições inovadoras na carteira, mas ficam ainda mais felizes de escapar das armadilhas históricas que vinham carregando, sem perceber.

Aliás, se por acaso o correntista do R$ 1,65 milhão esquecido estiver lendo este Day One, basta enviar um email para futuro@empiricus.com.br, comprovando sua identidade, que ficaremos felizes em oferecer a consultoria do Empiricus Private como cortesia.