Quando os extremos estão no meio

Operações estruturadas no mercado financeiro ensinam: a combinação de dois ativos opostos por vezes resulta em outro ativo diverso dos dois originais.

Compartilhe:
Quando os extremos estão no meio

Não sei tanto em relação à utopia dos trópicos quanto o Giannetti. Mas, como todo vira-lata carente de um elogio singelo, arrisco-me.

O Brasil é o país em que até o passado é incerto – pois não se sabe se foi mesmo o Malan quem disse isso, no passado.

O Brasil é o país em que a causalidade costuma perder para a casualidade. Taleb é especialmente útil por aqui.

Ok, somos incertos e casuais. Isso pode ser ruim, pode ser bom.

Enfim, o Brasil se distingue dos demais, em virtude, por ser o país da dialética.

Sejam bem-vindos.

A dialética é um modo de raciocinar que se baseia na contradição de ideias.

Parece meio loucura (contraditório?), pois o raciocínio, a priori, carrega consigo a insígnia da não contradição.

Raciocinamos justamente para alcançar conclusões unívocas, limpas, inquestionáveis.

Mas, às vezes, a melhor forma de chegar até a pureza é sujando as mãos e os pés.

Na dialética, partimos de uma tese, cutucamos essa tese com uma antítese e, por fim, atingimos a síntese.

Há quem diga que a própria história evolui enquanto dialética, como um pêndulo para a esquerda e para a direita, equidade e eficiência, moderação e volatilidade…

Se a história de fato evolui (eu acho que sim), não ficamos aprisionados para sempre nesse pêndulo. O resultado da síntese é novo, não está contido na tese, tampouco na antítese.

Por que falo tudo isso? Talvez você já tenha adivinhado.

Abra qualquer jornal, entre em qualquer site, ligue qualquer TV. A tendência, alega-se, é a de um certame radicalizado. Antipetismo versus lulismo. Bolsonaro versus Haddad, pau a pau, inch by inch no segundo turno.

Em todo embate milimétrico, aquele que é eleito carregará, de alguma forma, o vice-campeão (que é bem mais importante do que o vice-presidente), para sempre.

Depois do Rumble in the Jungle, era impossível para Muhammad Ali se dissociar de George Foreman. Foreman passou a ser parte de Ali.

Operações estruturadas no mercado financeiro ensinam: a combinação de dois ativos opostos por vezes resulta em outro ativo diverso dos dois originais.

Quando o nosso Flash Trader se diz comprado numa alta da Bolsa e também carregando umas puts, ele está louco? Louco como Sócrates?

Se for o caso, vamos obrigá-lo a beber cicuta, por ser ateu e corromper os jovens investidores gregos.

Quando o mercado precifica a radicalização, invista na dialética.

Há ocasiões – raras, é verdade – em que os extremos podem estar no meio.