Mesa Pra Quatro

Mesa pra Quatro #4 – Demian Maia, lutador de MMA, conta como aprendeu a diversificar os investimentos: “Você não pode investir tudo em ações”

Neste podcast Mesa pra Quatro da Empiricus, Dan Stulbach, Teco Medina e Caio Mesquita conversam com Demian Maia, lutador de MMA e jiu-jitsu, sobre a sua trajetória na carreira e relação com o dinheiro.

Compartilhar artigo
Data de publicação
12 de julho de 2021
Categoria
Mesa Pra Quatro

No último episódio do podcast Mesa pra Quatro, o ator Dan Stulbach, o consultor financeiro Teco Medina e o CEO da Empiricus Caio Mesquita conversaram sobre carreira, experiências pessoais e investimentos com Demian Maia, um dos maiores lutadores de jiu-jitsu e MMA (artes marciais mistas) do Brasil.

Maia é faixa preta e cinco vezes campeão mundial de jiu-jitsu. Além disso, ele consolidou sua carreira lutando no UFC, organização que conduz o MMA. Demian Maia é um dos brasileiros com o maior número de triunfos nesta organização. 

Durante o podcast, o lutador conta um pouco de como decidiu embarcar nessa profissão, quais foram seus principais desafios, e claro: como ele administra seu dinheiro.

A proposta do podcast Mesa pra Quatro é apresentar diferentes experiências de celebridades nas suas carreiras ou nos negócios, ao se lançarem ao empreendedorismo.

Os convidados das edições anteriores do podcast foram Alex Atala, chef de cozinha renomado, Tony Ramos, um dos maiores atores do Brasil e o Craque Neto, ex-jogador de futebol, que é apresentador e comentarista esportivo. 

E agora, um dos maiores lutadores do Brasil. A seguir, te conto o que rolou no episódio 4 do Mesa pra Quatro:

Do início de sua carreira a seu primeiro “salário”

O que leva alguém a lutar profissionalmente? No podcast, Demian Maia explica como encontrou sua vocação em meados dos anos 90. Desde criança, ele sempre gostou de lutar. Mas não renunciou a uma formação acadêmica. Até porque, ser lutador era algo mal-visto na época e não havia tantas oportunidades. “Quando comecei, não existia MMA”, conta. 

A primeira opção de Demian Maia era estudar medicina veterinária, na USP, mas ele acabou fazendo jornalismo na Faculdade Cásper Líbero. Ao mesmo tempo, não deixou a luta de lado, sua verdadeira vocação. E descobriu que, caso a carreira de lutador não desse certo, ele poderia viver daquilo que gostava dando aulas de jiu-jitsu em São Paulo. 

Mas seu verdadeiro sonho era ser lutador de “vale-tudo”. “Não devido a violência, mas por conta do desafio”, revela Demian. 

E as coisas foram dando certo para o brasileiro. Ganhou suas primeiras 12 lutas de MMA. E a cada vitória, ia ganhando mais e mais dinheiro…  O que não o impediu de cair em furadas.

Não confie seu dinheiro a pessoas erradas 

A primeira vez que Demian Maia ganhou um dinheiro relevante em sua carreira foi em sua primeira luta no UFC. “Ganhei a finalização da noite, que era 50 mil dólares na época, mais bônus”, conta. 

Na época, ele não sabia exatamente como administrar aquela quantia. As transações internacionais eram complicadas e burocráticas. E por isso, seguiu o conselho de um colega de confiar o seu dinheiro a uma pessoa do mercado financeiro, porém, ela não agiu conforme o combinado.

Demian solicitou a aplicação do seu dinheiro em classes de ativos com menores riscos possíveis, mas o seu “gestor” investiu tudo em ações. Desse modo, Demian perdeu uma bolada. Mas foi aí que ele aprendeu que não dá para confiar seu dinheiro a qualquer pessoa do mercado. 

Outra coisa que o lutador fez no início da carreira foi comprar imóveis. Assim que ganhava dinheiro, ele saía comprando terrenos. “Hoje, vejo que os imóveis se tornam um grande passivo”, admite Demian. Aprendi que não é uma boa investir tudo neles”, conta. 

Quais são os investimentos do lutador hoje?

No podcast, Demian Maia diz contar com um wealth management (gestor patrimonial) que o ajuda na administração de seus bens e investimentos pessoais. Ele deu mais detalhes de sua carteira aos ouvintes. Hoje, Maia investe em renda fixa, renda variável e fundos de investimento. 

O lutador enfatiza a importância da diversificação e equilíbrio no portfólio. Acha um absurdo investir 100% em ações. Ao mesmo tempo, ele acha válido apostar pequena parcela do dinheiro em classes como criptomoedas e opções, que podem gerar retornos assimétricos.

O lutador também reflete as semelhanças entre a aleatoriedade no mercado financeiro e na luta. Para saber mais, escute o podcast na íntegra abaixo ou na plataforma de áudio de sua preferência.