Mesa Pra Quatro

“Tudo o que vai prevalecer sempre é uma grande ideia”, afirma Washington Olivetto sobre o segredo da publicidade marcante

Um dos maiores nomes no cenário da propaganda nacional, o publicitário Wellington Olivetto comenta neste episódio do podcast Mesa Pra Quatro sobre sua vida e trajetória, além de tecer críticas e trazer questionamentos sobre o cenário atual da publicidade. Se você ainda não ouviu, confira os principais pontos aqui

Compartilhar artigo
Data de publicação
4 de março de 2022
Categoria
Mesa Pra Quatro

Neste episódio do podcast Mesa Pra Quatro, os apresentadores Caio Mesquita, Teco Medina e Dan Stulbach convidam Washington Olivetto, publicitário brasileiro cujo nome acompanha grandes campanhas na cena da propaganda nacional, para um bate-papo sobre sua ampla trajetória. Entre tantos assuntos, o profissional falou sobre sua carreira, sua relação com dinheiro, com a família, e sua opinião sobre a atual conjuntura da publicidade.

“O que construiu a minha vida profissional foi exatamente a minha ligação com a cultura popular”, comenta Olivetto, fazendo um paralelo com a magnitude que os podcasts vêm ganhando no cenário dos meios de comunicação e da disseminação de conteúdo na atualidade. 

Ainda em meio a um recorte histórico, é discutido o contraste entre a carreira de publicidade durante os anos 80 e nos dias de hoje, e Olivetto comenta sobre como os comerciais que ele tem observado no cinema, por exemplo, deixam muito a desejar.

“O que faz um bom publicitário é a capacidade de olhar a vida, tirar da vida, transformar em comunicação e devolver para a vida”, define Washington.

 Contudo, ele lamenta que isso não está acontecendo. De forma geral, falta sensibilidade para extrair informações do cotidiano. Ele explica, ainda, que isso possivelmente se deve ao fato de os publicitários atuais estarem muito absortos em seu universo profissional, repetindo sempre o mesmo padrão de propaganda e deixando de aplicar um olhar apreciativo em relação à vida em si: “Hoje está se aprendendo muito pouco com a vida, e por isso está se devolvendo uma vida muito medíocre”, afirma sobre a atividade publicitária.

“Tudo o que vai prevalecer sempre é a presença de uma grande ideia”, comenta Olivetto sobre o caminho para uma publicidade marcante, que, segundo ele, independe das ferramentas digitais e redes sociais, mas depende da criatividade. Ele critica, também, empresas que se associam a “influencers” que não tem nada a agregar exceto por grandes quantidades de seguidores.

 Quando o bate-papo adentrou o tema dinheiro, Olivetto apontou sua preocupação com a baixa remuneração dos publicitários, que vigora de forma geral e impõe desafios. “É muito difícil cobrar por ideias, até porque as ideias são muito boas depois que deram certo”, diz.

Papo diversificado: Londres e Corinthians no coração

No Mesa Pra Quatro, Olivetto comentou ainda sobre sua escolha de viver em Londres, sobre o gosto por futebol – expressando seu amor pelo Corinthians – e sobre as escolhas profissionais e a infância de seus filhos. 

Ele conclui dando algumas dicas culturais, sendo elas a biografia da Nara Leão e a respectiva série no Globoplay; o filme mais recente de Pedro Almodóvar, “Parallel Mothers”; a série “The Beatles: Get Back” e o filme “Rifkin´s Festival”, de Woody Allen.